julho 17, 2016

INSTÂNCIA DAS ARTES COMEMORA 2 ANOS

  INSTÂNCIA DAS ARTES
SWELLEN PIMENTEL & MICAEL MARTINS

 VEM AÍ A EDIÇÃO COMEMORATIVA

Projeto Cultural Instância das Artes comemora dois anos valorizando a arte e cultura regional.Com o apoio institucional da Justiça Federal no Rio Grande Norte, o objetivo maior do Instância das Artes é a aproximação do Judiciário Federal potiguar da sociedade local, incentivando a produção artística nas dependências da Seção Judiciária.

INSTÂNCIA DAS ARTES
UM NOVO PALCO PARA A ARTE E CULTURA POTIGUAR 
 
O Projeto Cultural Instância das Artes chega aos dois anos consolidado como um dos mais importantes fomentadores da arte e cultura potiguar. Desenvolvido pela Justiça Federal no Rio Grande do Norte, o projeto contempla uma série de atividades voltadas para o incentivo à produção cultural potiguar, desde a música, artes plásticas, artesanato, poesia, entre outros.

Acesso gratuito, o projeto ocorre sempre na última quinta-feira do mês, às 11 horas, Hall da Justiça Federal, Natal/RN, e tem o perfil mantido desde o seu lançamento, trazendo apresentações de dois artistas, onde o primeiro convidado atua com uma apresentação instrumental de 15 minutos e, o segundo convidado, finaliza com uma apresentação vocal, também de 15 minutos, fechando a meia hora destinada ao projeto.

Para a edição comemorativa, dia 28 de julho, às 11 horas, o evento receberá a cantora Swellen Pimentel, primeira artista a inaugurar este projeto, e o músico Micael Martins, que nos brindará com um solo de gaita. Teremos ainda uma atração especial, uma surpresa que encantará a todos os presentes.

Com o apoio institucional da Justiça Federal no Rio Grande Norte, o objetivo maior do Instância das Artes é a aproximação do Judiciário Federal potiguar da sociedade local, incentivando a produção artística nas dependências da Seção Judiciária.

Desde a implantação do projeto, em 24 de abril de 2014, inúmeros artistas regionais colaboraram com a proposta. Entre eles, podemos citar: Simona Talma, Micael Martins, Masiso Camila, Diogo Guanabara, Swellen Pimentell, Rudson Rudson Ricelli, Zé Hilton, Nara Costa, Antônio de Pádua, João Vítor, Khrystal Saraiva, Alan Silveira, Ana Tomaz, Zeca Brasil, Frank Lemos, Lenildo Fonseca, Juliana Menezes, Lysia Condé, Carol Benigno e Carla Regina.

"Além de agregar valores à qualidade de vida de seus servidores, a Justiça Federal do Rio Grande do Norte é inovadora com a iniciativa, sendo a única Seção Judiciária da 5ª Região, com este formato e dinâmica, a prestigiar o artista regional, o que já vem servindo de base e perfil para outras Seções", enfatiza o Juiz Federal e Diretor do Fórum, Dr. Marco Bruno Miranda Clementino.

"A iniciativa é visível na construção e no apoio dado pela Direção do Foro da JFRN ao Instância das Artes”, destaca José Carlos, idealizador e coordenador do projeto, ressaltando ainda o apoio cultural recebido por três colaboradores: ASSEJUF/RN, SICOOB JUDICIÁRIO, RESTAURANTE NATALIS E O SINTRAJURN. 
 
...fonte...
www.jfrn.jus.br
  
Se copiar textos e ou fotografias, atribua os créditos!
Os direitos autorais são protegidos pela Lei nº 9.610/98. Violá-los é Crime!

julho 09, 2016

BANDA POTIGUAR EM TRIBUTO A RENATO RUSSO

FAR FROM ALASKA
Fotografia: Divulgação

ÁLBUM TRIBUTO A RENATO RUSSO TERÁ PARTICIPAÇÃO
 DA BANDA POTIGUAR FAR FROM ALASKA

A nova geração do rock dará sua contribuição à memória de um dos grande letristas da música brasileira, o músico e compositor Renato Russo, o líder da Legião Urbana, falecido em outubro de 1996.

A produtora Legião Urbana Produções Artísticas, capitaneada por Giuliano Manfredini, filho e herdeiro de Renato Russo, organiza um tributo para marcar os 20 anos da morte do vocalista do Legião.

O projeto reúne versões de músicas da banda elaboradas por novos artistas - e entre os escalados - marcando presença a potiguar Far From Alaska,, segundo notícia publicada no portal da Rolling stone Brasil.

O tributo, intitulado "Viva Renato Russo 20 Anos", tem lançamento agendado para outubro, chegando tanto às plataformas de streaming – como Spotify e Deezer – quanto em CD físico, de maneira gratuita.

A coletânea conta com nomes da produção mais recente da música brasileira, como os potiguares do Far From Alaska, os psicodélicos do Supercordas e os roqueiros do Republica, além de Codinome Winchester e Uh Lá Lá.

FAR FROM ALASKA

Far From Alaska é uma banda de rock de Natal/RN nascida no primeiro semestre de 2012 e formada por nomes bem conhecidos e experientes da cena potiguar: Emmily Barreto (vocal), Cris Botarelli (synth, lap steel e voz), Edu Filgueira (baixo), Rafael Brasil (guitarra) e Lauro Kirsch (bateria). Talvez pelo time de veteranos, que assinaram passagens por bandas como Talma&Gadelha, Planant, Calistoga e Venice, a notícia de lançamento do FFA foi recebida com bastante expectativa pelo público local, o que acabou rendendo uma boa visibilidade ao primeiro single, “Thievery”, lançado em setembro de 2012, e a escalação para tocar no Festival do Dosol (RN) em novembro do mesmo ano.

A grande surpresa foi a vitória no concurso Som Pra Todos, organizado pelo Portal Terra, Banco do Brasil e Deck. O prêmio foi, nada mais, nada menos, que um show na edição 2012 do renomado Planeta Terra Festival, em São Paulo, e um contrato de distribuição com a gravadora carioca. De lá pra cá, com apoio de Shirley Manson (Garbage), as incursões na imprensa aumentaram e o grupo tem experimentado ótima recepção da mídia especializada, que tem festejado a banda com resenhas positivas de show e de lançamentos.

O primeiro EP da banda, Stereochrome, lançado em 2012, contém quatro músicas e foi gravado no Estúdio Dosol (RN), com produção de Dante Augusto (Fukai, Calistoga, The Sinks) e mixado no Estúdio Costella (SP) por Chuck Hipolitho. Já em Maio de 2014, a banda apresenta seu primeiro disco cheio, modeHuman, com 15 faixas gravadas em novembro de 2013 no estúdio Tambor (Deck), no Rio de Janeiro. O registro foi mixado por Pedro Garcia (Planet Hemp) e masterizado por Chris Hanzsek, no Hanzsek Audio (Seattle/EUA).

Com um som difícil de definir, o Far From Alaska conta com influências tão diversas quanto controversas, resultando em uma proposta no mínimo interessante. O que dá pra garantir é que é rock.

BANDA CONTEMPLADA COM PRÊMIO INTERNACIONAL

Só o fato de poder participar do Midem, uma das maiores feiras voltadas à indústria musical do mundo, realizada no mês passado (junho), em Cannes, na França, já era motivo de comemoração para a banda potiguar Far From Alaska. Mas Emmily Barreto, Cris Botarelli, Lauro Kirsch, Rafael Brasil e Eduardo Filgueira voaram ainda mais alto e saíram premiados na categoria "We are the future" (artista revelação) na primeira edição do International Midem Awards.

O quinteto era o representante brasileiro entre os 12 artistas finalistas na categoria definida por votação online, e, de acordo com a página oficial do evento, a vitória foi por uma diferença folgada. Presente ao evento estava a ministra da cultura da França.
 
...fonte...

http://rollingstone.uol.com.br/…/filho-de-renato-russo-reu…/

http://www.cidadedosom.com/cidade-do-som/website/artista/83

http://oglobo.globo.com/…/banda-potiguar-far-from-alaska-le…

Se copiar textos e ou fotografias, atribua os créditos!
Os direitos autorais são protegidos pela Lei nº 9.610/98. Violá-los é Crime

julho 06, 2016

UMA NATAL HISTORICAMENTE MAPEADA


BAIXE JÁ O APLICATIVO "NATAL HISTÓRICA"
 
Quer conhecer um pouco mais sobre Natal?
Então, olha essa dica! 
 
A capital potiguar conta agora com um aplicativo para apresentar um pouco do seu patrimônio histórico que é o "Natal Histórica". Estudantes, turistas - e o próprio natalense - passam a dispor de uma ferramenta que agrega valor cultural e nostalgia.

Se você caminha por Natal/RN e desconhece boa parte dos prédios à sua volta e o seu peso histórico, O novo App "Natal Histórica" funcionará como um serviço de auxílio ao flaneur, contendo mapas, fotografias e pequenas descrições de alguns edifícios históricos da capital potiguar. Um aplicativo que nos permitirá conhecer o passado que ainda existe na cidade.

O Natal Histórica é um aplicativo desenvolvido para celulares do tipo smartphone e tablets. Com ele, levamos a cidade histórica que reside nos bairros da Cidade Alta e Ribeira para as telas do celular. Uma forma de levar consigo um pouco da história dos seus edifícios.

Nasce, então, o projeto Natal Histórica que contou com o engajamento de um time de colaboradores. Gustavo Sobral, estudioso da cidade e de suas peculiariedades, selecionou alguns dos prédios e lugares e partiu com Angela Almeida, fotografa, para registrar os respectivos pontos, e o que observaram foi uma cidade anônima, cuja história dorme na fachada de boa parte dos seus edifícios.

Arthur Seabra, arquiteto e ilustrador, aceitou a missão de tracejar e colorir um mapa para a cidade. Bruno Pignataro e Thiago Tavares, ao somarem suas expertises, transportaram para o inglês e espanhol todo aquela história. A empresa de desenvolvimento de aplicativos Smarto reuniu tudo e deu forma ao App.

O App está disponível para Android e iOS ou pelo site: 
 Se copiar textos e ou fotografias, atribua os créditos!
Os direitos autorais são protegidos pela Lei nº 9.610/98. Violá-los é Crime!

julho 05, 2016

MÚSICA POTIGUAR EM DESTAQUE


MPB
MÚSICA POTIGUAR BRASILEIRA
 
O portal Cidade do Som, que entrou no ar na noite desta segunda-feira (04), pretende ser o maior acervo virtual de música no Rio Grande do Norte. A ferramenta possibilita tanto artistas divulgarem seus trabalhos, tanto quanto reunir um banco de dados relevante sobre o legado, a memória e o trabalho de artistas de outras épocas.

CIDADE DO SOM
A música potiguar em destaque.

Projeto inovador é lançado em Natal/RN

A Cidade do Som está em construção, e vai permanecer assim: em eterna expansão! O projeto dá as boas vindas aos amantes da boa música produzida no RN, e amplia as possibilidades tanto para quem quer ser visto como para quem quer conhecer, pesquisar e se surpreender com a diversidade sonora com DNA potiguar.

O objetivo da Cidade do Som é abrir espaço para destacar e reunir todas as vertentes da música potiguar: do samba ao rock, da MPB à música erudita, do hip hop ao reggae, da mais tradicional das manifestações às novas experiências eletrônicas.

Todos os dias o acervo será ampliado, oferecendo um ambiente dinâmico para a divulgação de novos artistas. Além de listar intérpretes, compositores, instrumentistas, produtores e bandas que estão na ativa, o banco de dados virtual ganha força e relevância ao se debruçar sobre o legado, a memória e o trabalho de artistas de outros tempos que marcaram época.

A iniciativa, capitaneada pelo produtor cultural Daniel Campos, ainda prevê a disponibilização gradual de serviços e rotinas de interação entre os cadastrados, onde terão autonomia para atualizar o perfil publicado na portal; atitude que fortalece e ajuda a construir essa Cidade, que é todos e todas!

Multiplique, compartilhe e consuma a música do Rio Grande do Norte. Faça parte dessa família!

"Nesta primeira semana o portal encontra-se em ajustes e por ser participativo, está aberto para receber observações dos internautas. É natural que nesta primeira semana você encontre alguns perfis incompletos, nós deixamos abertos para navegação, mas a partir do dia 11 de julho você encontrará muito mais novidade. Todas as semanas serão lançados 10 novos perfis de artistas completos", justifica Daniel Campos, autor do projeto. 
 
Conheça o projeto, aqui:

http://www.cidadedosom.com/cidade-do-som/website/

Se copiar textos e ou fotografias, atribua os créditos!
Os direitos autorais são protegidos pela Lei nº 9.610/98. Violá-los é Crime!

junho 26, 2016

BANDA POTIGUAR EM PROJETO DA SONY MUSIC

FUKAI
Orgulho para o Rio Grande do Norte!
Mérito para curtidas e compartilhamentos!
Reconhecer o talento é incentivo para novas conquistas!

BANDA GENUINAMENTE POTIGUAR, TEM MÚSICA 
SELECIONADA  PARA PROJETO DA SONY MUSIC

"Novíssima Música Brasileira" é o título do álbum de um dos mais novos projetos da Sony Music. Trata-se de uma coletânea que reúne 18 bandas revelações do cenário independente. E entre elas, muito bem representada pela Fukai, a música potiguar brasileira.

Na parceria com a Sony Music, os lucros obtidos com os plays da música são divididos com as bandas. A Sony aposta know-how e as bandas conseguem divulgação para um público diferenciado dos que estão acostumados na web e em festivais. A parceria também permite gravações no estúdio toca do Bandido, no Rio de Janeiro. O Selo funciona para as bandas como mais um elemento no mix de divulgação para se manter no mercado.

Formada em Natal/RN em agosto de 2012, a Fukai mistura rock clássico, experimental, progressivo, pop, funk/soul e psicodelias. As letras são cantadas em três idiomas (português, inglês e espanhol), mas é importante ressaltar, a maior influência da banda é o cenário de música brasileira dos anos 70. Os componentes da Fukai são: Pedro Victor (voz, violão, guitarra, bongô e escaleta); Rodolfo Almeida (voz e guitarra); Vinícius Menna (guitarra, gaita, flauta transversal e voz); João Paulo (baixo); e Flávio Dado (bateria e voz).

Abaeté é o primeiro álbum completo da Fukai. Com o EP "Era Aquario", foi gravado e produzido pela própria banda em 2013, a Fukai já tocou em alguns festivais pelo Brasil, incluindo Psicodália (SC), Morro Stock (RS), Música Alimento da Alma – Mada (RN) e Festival DoSol (RN).

O primeiro registro da banda também chamou a atenção do cineasta Jefferson De (Bróder, 2009), que incluiu duas músicas do “Era Aquario” em seu novo filme, “O Amuleto”. Abaeté está disponível para download no site dosol.com.br/fukai-abaete-2015/ e também pode ser escutado através dos principais serviços de streaming da atualidade (Itunes, Spotify, Deezer, Rdio, Youtube, Soundcloud e Bandcamp).

Agora, confira a música inédita do Fukai, Um Rio, lançada na coletânea de estreia do selo Novíssima Música Brasileira:

Para ouvir o álbum Abaeté, aqui:
khttps://www.youtube.com/watch?v=38rjc0515wk

Spotify:
http://smarturl.it/Novissima.s

iTunes:
http://smarturl.it/Novissima.i

Deezer:
http://smarturl.it/Novissima.d

 Se copiar textos e ou fotografias, atribua os créditos!
Os direitos autorais são protegidos pela Lei nº 9.610/98. Violá-los é crime! 

Make Money Online : http://ow.ly/KNICZ

NORDESTE SUPERSTAR


 SUPERSTAR
Fulô de Mandacaru é a grande campeã da terceira temporada do 'SuperStar'
Plutão Já Foi Planeta atingiu 48% e ficou em segundo lugar

NORDESTE SUPERSTAR
 DEU NORDESTE NA FINAL DO SUPERSTAR 
 
A Fulô de Mandacaru é a grande campeã da terceira temporada do SuperStar. A banda vencedora faturou o coração dos brasileiros e vai ganhar um contrato com a Som Livre, além do prêmio de R$ 500 mil. A banda Plutão Já Foi Planeta disputou a rodada Final com a Fulô e atingiu 48% dos votos, ficando em segundo lugar. Ao todo, 35 bandas participaram desta edição do SuperStar.

O vocalista Armando Dantas, o Armandinho, se emocionou ao comemorar a vitória. "Eu queria agradecer ao Brasil, agradecer ao povo do nordeste, meu estado do Pernambuco, minha cidade de Caruaru. A voz do povo é a voz de Deus", exclamou ele, que ainda lembrou o pai no discurso: "Meu pai, você sabe o sentimento da nossa vitória".

Única banda de forró em um quarteto de finalistas dominado pelo rock, a Fulô quase deixou a disputa em seu início. Por um erro de Daniela Mercury, que votou "não" quando queria votar "sim", o grupo foi eliminado. Dias depois, a Globo voltou atrás e decidiu mantê-lo na repescagem do programa. Quando a repescagem de fato ocorreu, no início de maio, a Fulô foi a banda mais votada, com 80%, e se salvou.

FINAL

A final teve início com quatro grupos: OutroEu, Bellamore, Fulô e Plutão. A Bellamore foi eliminada na rodada inicial do programa, após obter apenas 52% dos votos e ser a menos votada. A banda foi a primeira a se apresentar e recebeu os elogios do jurado Paulo Ricardo, que apostou que a competição seria difícil: "Se fosse um MMA, ia ter sangue para todo lado".

Na segunda rodada, quem deu adeus à disputa foi a OutroEu. Apesar de a música autoral escolhida pela banda ter sido elogiada por Paulo Ricardo, Sandy e Daniela Mercury, ela obteve só 52% dos votos.

A Fulô foi a banda mais bem avaliada nas duas primeiras anteriores da final, obtendo 67% na primeira e 66% na segunda. Ela também havia liderado a disputa na semifinal do reality.

SUPER BANDA

Para marcar a final, o "SuperStar" trouxe duas bandas comandadas por famosos. Uma delas foi a Romance, comandada por Marisa Orth e convidada a voltar ao programa por ter obtido 91% de aprovação do público.

Já Lúcio Mauro Filho foi a estrela da vez na Superbanda. O ator mostrou seus dotes musicais ao apresentar com seu grupo a música "Palco", de Gilberto Gil.

#‎plutaojafoiplaneta
#‎FulôDeMandacaru

...fonte...
http://tvefamosos.uol.com.br/…/vencedor-da-terceira-tempora…

Se copiar textos e ou fotografias, atribua os créditos!
Os direitos autorais são protegidos pela Lei nº 9.610/98. Violá-los é crime!

abril 19, 2016

BANDA POTIGUAR ARRASA NO SUPERSTAR

PLUTÃO JÁ FOI PLANETA

Com Natalia no vocal, Gustavo e Sapulha no comando das guitarras,
Vitória no baixo e Khalil  na bateria, a Plutão Já Foi Planeta
foi formada no Rio Grande do Norte e leva
 seu  som ao Nordeste do Brasil
Fotografia: Divulgação

BANDA POTIGUAR ARRASA NO SUPERSTAR

Por
Blog Potiguarte   
 
Domingo, 17/04, no programa global Superstar, a banda potiguar - PLUTÃO JÁ FOI PLANETA - apresentou 'Viagem Perdida', faixa do seu primeiro disco, "Daqui Pra Lá". Nome da Plutão Já Foi Planeta, do 'SuperStar', foi inspirado em uma matéria jornalística.

Plutão Já Foi Planeta, Pagan John, Tróia e Geórgia foram as quatro bandas classificadas no segundo domingo do SuperStar. Na repescagem estão Izzy Gordon, Bella Xu, Kanoa e A Quebrada. No júri, Daniela Mercury, Paulo Ricardo e Sandy deram vários conselhos para os músicos, que arrasaram no palco do programa. O quinteto potiguar chegou a 90% na competição do último domingo.

PLUTÃO JÁ FOI PLANETA

Plutão já foi Planeta é uma banda de Natal - RN. De Indie Pop, surgiu em setembro de 2013, formada por Natália Noronha (voz, baixo, synth), Sapulha Campos (voz, guitarra, ukulele, escaleta), Gustavo Arruda (voz, guitarra, baixo), Vitória de Santi (baixo, synth) e Khalil Oliveira (bateria).

O principal foco de Plutão Já Foi Planeta são as músicas autorais, cuja característica marcante é a alternância de momentos. Muitas das músicas crescem à um momento de êxtase.

Outra marca da banda é a versatilidade, trazendo ao palco instrumentos diversos, desde uma formação mais clássica de duas guitarra, baixo, bateria e teclado até instrumentos menos comuns no palco, como o ukulele e a escaleta.

A íntegra da apresentação da banda está disponível no link adiante!

Confere lá!
http://globoplay.globo.com/v/4963058/

‪#‎PlutãoNoSuperstarViagem

 Se copiar textos e ou fotografias, atribua os créditos!
Os direitos autorais são protegidos pela Lei nº 9.610/98. Violá-los é crime!

abril 07, 2016

PASSO DA PÁTRIA - PORTO DE DESTINOS

 
 
PASSO DA PÁTRIA - PORTO DE DESTINOS
Documentário longa-metragem que lança um olhar humano sobre o cotidiano
da comunidade. Dirigido por Alex Régis e Paulo Jorge Dumaresq, 
o filme será lançado amanhã, dia 08, às 20h, no auditório
do IFRN Cidade Alta, com acesso gratuito.
Fotografia: Alex Régis
 
"PASSO DA PÁTRIA - PORTO DE DESTINOS"

Via
REDAÇÃO - NOVO JORNAL

A comunidade do Passo da Pátria se desenvolveu de forma improvisada e desordenada, espremida entre a linha do trem e o rio Potengi, próximo aos bairros do Alecrim, Cidade Alta e Ribeira, em decorrência da intensa movimentação comercial no local entre o final do século 19 e início do século 20, quando foi o principal porto e porta de entrada do comércio na capital do Rio Grande do Norte.

Este aspecto histórico do lugar inspirou o título do filme “Passo da Pátria - Porto de Destinos”, documentário longa-metragem que lança um olhar humano sobre o cotidiano da comunidade. Dirigido por Alex Régis e Paulo Jorge Dumaresq, o filme será lançado amanhã, dia 08, às 20h, no auditório do IFRN Cidade Alta, com acesso gratuito.

Fotógrafo do jornal Tribuna do Norte há mais de uma década, Alex Régis precisou entrar no Passo da Pátria algumas vezes para fazer matéria. E os enfoques, quase sempre, eram negativos, de histórias tristes, de crimes, de problemas. “Tinha ali o local perfeito, com o cenário composto por barcos e a luz do pôr do sol refletida no rio Potengi. Depois de fazer a foto, comecei a conversar com o pescador ‘Nino do Peixe’. Ele falava do Passo com um orgulho, um brilho no olhar que me despertou o interesse em pesquisar a história da comunidade”, diz o fotógrafo, contando como surgiu a ideia do documentário.

Ele saiu de lá com a foto que lhe daria o prêmio BNB de Jornalismo e com a visão menos preconceituosa. “Eles sofrem discriminação. Quem passa ali na Avenida do Contorno e olha pra comunidade, tem medo”, diz.

Com o tema definido e, uma prévia ideia de que linha seguir, convidou o jornalista e dramaturgo Paulo Jorge Dumaresq para escrever o roteiro e o ajudar na direção. Os dois já haviam trabalhado juntos no curta de ficção "Incontinências” (2014). Entre planejamento, pré-produção, produção, edição, finalização e mixagem de áudio, o documentário levou um ano para ser feito — 100% com recursos próprios e a colaboração de parceiros.

Os diretores primaram por contar a história do Passo da Pátria, desde os primórdios até os dias atuais, pela boca de seus moradores. “Creio que fomos fieis ao nosso intento”, avalia Dumaresq.

A ideia inicial era produzir um curta-metragem, mas, ao entrar no Passo, eles se depararam com a riqueza humana da comunidade, a geografia peculiar do lugar e belezas naturais. De modo que foram fortemente atraídos pelas possibilidades que o lugar ofereceu. “Quando assistimos todas as entrevistas e as imagens capturadas, chegamos à conclusão que o filme tinha virado um longa. Ele ficou com 70 minutos”, diz Alex Régis.

Os realizadores optaram por uma fotografia limpa, com luz natural e sem muitos efeitos. “Aproveitamos ao máximo as cores da comunidade. Cor é vida. E o Passo tem sua dinâmica própria na colorida alegria de seus habitantes. Usamos ainda a cor sépia para remeter ao passado”, fala Dumaresq.
 
O documentário é quase todo construído a partir das memórias e narrativas dos moradores. Mas Paulo Dumaresq e Alex Régis tiveram também a ideia de convidar um ator para interpretar Luís da Câmara Cascudo e recitar seus escritos sobre os tempos áureos do Passo. O escolhido para o papel foi o carioca Ruyter de Carvalho, com experiência no teatro, no cinema e na TV, inclusive participações em novelas da Globo, como o folhetim “Que Rei sou eu?”.

“Os textos foram extraídos do livro História da Cidade do Natal. Mas não quisemos mimetizar o ator de Câmara Cascudo. Apenas remeter ao folclorista e historiador. É importante esclarecer isso”, ressalta Dumaresq.

A trilha teve a direção musical de Adriano Azambuja. Destaque para a canção "Passo da Pátria - Porto de Destinos" (de Antônio Ronaldo e Franklin Mário), interpretada pela cantora Antoanet Madureira, e o rap "As margens", do projeto Éris (Artur Faustino e Bruno Otávio). Participam ainda os músicos Nicholas Guitarman, Dudu Campos, Isaac Ribeiro e Heudes Régis.

A equipe técnica prati-camente foi a mesma de “Incontinências”, com a adição da editora e montadora Suerda Morais, da CaSu Filmes, produtora parceira. A Peron Filmes também apoiou com equipamentos. Colaboraram ainda Camilla Natasha e Davis Josino (assistência de produção), Nilson Eloy (som direto e mixagem de áudio) e Alysson Régis (platô).

O filme contou com o apoio da Secretaria Municipal de Comunicação Social, Cinemateca Potiguar, IFRN, Ludovicus - Instituto Câmara Cascudo, Nalva Melo Café Salão, Bardallo’s Comida & Arte, Associação para o Desenvolvimento de Iniciativas de Cidadania (ADIC), CBTU e Estúdio Sonorus.
 
...fonte...
 
Se copiar textos e ou fotografias, atribua os créditos!
Os direitos autorais são protegidos pela Lei nº 9.610/98. Violá-los é crime!